domingo, novembro 12, 2006

Pesos e Medidas

Dia desses, o comentarista da SporTv Maurício Noriega, falando sobre esse lamentável episódio envolvendo o jogador Carlos Alberto, do Figueirense, e a mania que brasileiro tem de querer levar vantagem em tudo, emitiu a opinião de que o sujeito comum que reclama de corrupção na política não se envergonha de, por exemplo, usar uma carteira de estudante, não o sendo, para pagar meia-entrada em eventos culturais e esportivos, uma atitude que equivaleria – na opinião de Noriega – à do político ladrão.
Correto, não é mesmo?
Não!
Não é a mesma coisa.
Em primeiro lugar, esse tipo de comentário serve apenas para banalizar a prática da corrupção, banalização que sabemos muito bem a quem interessa.
Em segundo lugar, um político ladrão está roubando de uma população inteira não apenas dinheiro, mas o direito que essa população tem de receber serviços condizentes com os impostos que paga. E que são muitos e muito altos.
Um sujeito que se utiliza de uma carteirinha de estudante está querendo desfrutar de uma opção de lazer que por motivos econômicos não está ao seu alcance ou, no mínimo, não sairá barato para os seus padrões. Ou alguém acha que um ingresso de cinema a R$ 15,00 é razoável?
Nesta semana, por exemplo, o grande John Pizzarelli fará uma curta temporada de shows aqui em São Paulo. Os preços vão de R$ 75,00 a R$ 150,00. Pode-se condenar seriamente alguém que use de tal expediente, o da tal carteirinha, para ter acesso à boa música?
É claro, por questão de princípio, considero errada tal prática, mas não dá pra não pensar que se os organizadores não cobrassem preços tão absurdos pouca gente recorreria a esse tipo de artimanha.
Mas o ponto é outro: se a situação financeira da população desse condições de todos pagarem por aquilo de que querem desfrutar não teríamos notícia de tais espertezas; e de quem é a culpa por a população em geral não dispor de uma situação confortável financeiramente?
Será que a corrupção dos políticos tem a ver com isso?
Não é desculpa, mas dá o que pensar.

1 Comments:

Blogger Mais um... said...

Para começar, confesso que sou um usário dessas falsas carteirinhas de estudante.
Eu geral concordo com essas análises que comparam a corrupção da população com a dos políticos. Mas os exemplos usados devem ser bem medidos. Também achei essa comparação infeliz e oportuno o seu comentário. Eu usaria com exemplo da tal comparação, por exemplo, os conhecidos golpes de seguro.
Abs!

13 novembro, 2006 11:45  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home